Contador de animais mortos pela nossa gula!

Número de animais mortos para carne, leite e ovos, desde desde o momento em que abriste esta página. Isto não inclui os biliões de peixes e outros animais aquáticos mortos anualmente, pois o número é imensurável.

Baseado nas estatísticas de 2007 da FAO (Food and Agriculture Organization) Global Livestock Production and Health Atlas.

Coloque este contador em sua página »

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Tricky one

"Não há mentira pior que a verdade mal compreendida por aqueles que a ouvem"

Henry James.


terça-feira, 18 de novembro de 2014

amor romântico e amor genuino



Não há muito mais a dizer.
Esqueçam o presente caro, a surpresa espectacular para todos verem, e que acba apor ser uma ostentação. Esqueçam a viagem às maldivas, que também é óptima, claro, mas concentrem-se primeiro nas pequenas viagens diárias. Esqueçam o jantar no restaurante caro, e façam-no em casa de pijama, despenteados, juntos, rindo, ouvindo, música, dançando..

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Fernando Pessoa

    O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
    Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
    Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
    O Tejo tem grandes navios
    E navega nele ainda,
    Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
    A memória das naus.
    O Tejo desce de Espanha
    E o Tejo entra no mar em Portugal.
    Toda a gente sabe isso.
    Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
    E para onde ele vai
    E donde ele vem.
    E por isso porque pertence a menos gente,
    É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
    Pelo Tejo vai-se para o Mundo.
    Para além do Tejo há a América
    E a fortuna daqueles que a encontram.
    Ninguém nunca pensou no que há para além
    Do rio da minha aldeia.
    O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
    Quem está ao pé dele está só ao pé dele.
       Alberto Caeiro

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Graça Taguti

Sai, corre logo. Afasta-te das ventanias cruéis que ameaçam revirar-te a vida e os sonhos pelo avesso. Aqueles pedaços de histórias rotas e cerzidas, atiradas no cesto de roupas de sorrir — e que já usaste tantas vezes em festas enxovalhadas. Foge das tempestades. Das estradas sem rumo. Das folhas ressequidas, espalhadas em terrenos áridos e desconexos.
Rejeita os lábios que não beijam mais e dos quais escorre apenas amargura, fel e impropérios. Sim. Tranca a porta, os ouvidos, a sensatez e vira as costas sem remorsos para tudo o que te causa mal e tristezas. Teus dias pinta-os com aquarelas leves e doces, mescladas a tons pastel.
As horas não devem ser transformadas inexoravelmente em cinzas, quem te disse? Embora saibamos que se trata de horas mortas, inertes em relógios de parede enferrujados pelo cansaço. Relógios, cujos ponteiros foram derretidos pelos vastos incêndios que se apossaram silentes da tua alma atônita.
Sai! Despede-te rapidamente das águas turvas, habitadas apenas por sinuosas enguias. Não enxergas peixes dourados, nem vermelhos? O lodo não te serve, então. Tampouco a escuridão de um dia sem sóis nem estrelas. As árvores morreram alguns tocos ainda repousam no jardim abandonado. Raízes secas gemem por água. Mas o jardineiro se foi, levando junto com as despedidas os antigos cuidados dispensados ao verde que aí vicejava.
Há esconderijos disponíveis para cultivar a paz. Um sentimento que parece ter escorrido pelas vielas de tempos imorredouros. Olha e te surpreende. Pois há linhas de seda para tricotar novas promessas de amores leves, já nascidos com asas. Amores azuis que flertam com a presença suprema da liberdade.
Gosto muito desta cronista. 
Se porventura entrares num bar escuro e sujo e perceberes que os frequentadores flertam somente com o álcool mantendo o rosto duro, impassível e macilento. Os olhos de pedra fosca cravados no fundo do copo, no qual mágoas flutuam sobre escassas pedras de gelo, não te aproximes. Abandona o recinto. Pois aí não há amor. Somente amarguras e nostalgias graves e empoeiradas
Foge também de quem tiver o aperto de mão indiferente e áspero, os sorrisos ausentes no rosto exausto de mentiras, o nariz empinado de arrogâncias vãs.
Despreza indivíduos sem ouvidos, concentrados em lamber unicamente a própria fala. Àqueles aficionados em solilóquios, em discursos sem eco, voltados regiamente para o próprio espelho das vaidades, adornado pelo gigantismo do ego.
Alheia-te também de quem perdeu os braços de abraçar. Esqueceu-se de abrir as janelas para as visitas das alvoradas e lacrou os sentidos para os cantos felizes dos pássaros matutinos.
Os que não regam plantas. Pais que esquecem crianças trancadas no carro, enquanto se deleitam em levianas compras nos shoppings. Não entres jamais em casas onde não se escuta música, aonde o fogão chore de desusos, sem o cheiro vivo do feijão fumegando delícias.
Não te acomodes nunca em mesas sem toalhas, copos, nem talheres, antes destinados a servir convidados sempre ausentes. Ninguém aparecerá para o almoço inexistente. Pois faltam amor e acolhimentos.
Não te esqueças de cerrar em seguida as cortinas do coração para os que desprezam a luz, as cirandas e as crianças. Os que chutam por tédio pequeninos animais órfãos, perdidos a esmo nas ruas. Refuta com veemência as trepadas mornas e maquínicas exigidas pelo marido ou namorado, cujas ardorosas amantes tu intuis, certamente.
O bom sexo demanda uivos gloriosos, saudáveis e selvagens desatinos. Assim, aguarda paciente pela entrega plena e desarmada. Ela virá sem avisos prévios e te surpreenderá com danças e valsas. Recusa de imediato o namoro insípido, porque não há sal que dê jeito em afetos falidos.
Outro alerta: desanda a correr da inveja, do escárnio, do ódio fantasiado de gentilezas em oferta. Todas elas por R$9,99. Este pacote de desmazelos se acumula no enfado e no desamor de lojas vazias. A maldade ronda a vizinhança, se intromete em eclipses, passeia com os pés descalços em imensos desertos brancos.
Mas lá tu não irás, temos certeza, pois falta amor — teu coração já anunciou. Além disso, felizmente também contas com os afáveis sussurros da natureza, que entremeiam tuas histórias e caminhos, sempre rodeados de ideais e de esperanças.

Por graça taguti

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

in Gantra - intervencionados

"O envelhecimento foi tomado como espécie de indemnização pelo descaramento de viver para além do que seria necessário."

"...Também não era em vão que a menopausa assinalava o rosto das mulheres. Crescia-lhes a barba, o que deixava muito claro que já não eram fêmeas: eram essa entidade a que a família dá o nome de sogras e que tem por missão principal levar a nora a desejar-lhe a morte. E, no entanto, se a ordem sucessória se cumprir, quando a velha morrer estará na hora de despontar a barba noutro queixo. A barba é um aviso para que os homens não desperdicem a substância seminal cuja fabricação pede alimento e até um pouco de alegria tóxica e deve, pois, usar-se com critério. Esta programação tão assisada provém da natureza. a humanidade pensou sempre que era um caso de escolha estética. Já pensava assim, muito antes mesmo dessa palavra "estética" aparecer."


      -A luta entre o "eu" e o "eu social" gera algum desconforto interior. Por um lado queremos tudo a toda a hora, queremos viver o presente intensamente sem pensar no amanhã, de uma forma inconsequente e sôfrega. Por outro, sabemos que essa velocidade e intensidade não se coadunam com longevidade, pelo descansada e equilibrada que se pretende.
     A balança, essa penderá para a loucura e para razão, num desequilíbrio e equilíbrio que julgamos equilibrado, mas que, amiúde, sofre as suas clivagens dolorosas e normais do desconhecido.


     -Se haverá receita para equlibrar?!
Claramente que não! e ainda bem. viver é isto mesmo, sentir a dor, aguentá-la e aprender com ela. Apreciar o bem e vivê-lo intensamente sem receios.

sábado, 9 de agosto de 2014

Fact

E assim conseguimos ver a diferença entre os bons e os excelentes. Dos que se preocupam mais com as pequenas coisas que com as grandes. Dos só querem fazer bem, e apenas bem.




quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Indeciso

Ainda não sei se gosto, se não gosto ou se adoro. Um coisa sei. Este é daqueles hits sazonais. Batem um verão e saem de cena.
A surpresa passa pela saída do Pacman do registo habitual. Até gostei de o ver e ouvir.
Gostei do video. Muito Miami Vice misturado com um estilo hippie chic e cheio de óculos interessantes e meninas bonitas!


This is a tricky situation




segunda-feira, 28 de julho de 2014

Eddie Vedder

Esta música espelha bem a decadência da nossa sociedade.


quinta-feira, 24 de julho de 2014

Y

Após a detenção do salgado. 
Há um terramoto na bolsa, uns esfregam as mãos, outros limpam o suor da testa. Uns bebem um copo de qualquer-coisa num terraço qualquer num sunset sereno e morno, outros entopem as linhas telefónicas, as internets, as caixas de e-mail, despejam garrafas de vodka mas suas enormes e características barrigas. 
Outros mais atentos e menos influentes, tremem-lhes os joelhos, fazem contas aos próximos meses, à prestação do carro, da casa, das ferias já compradas e não gozadas. Outros ainda subjugam-se a ir para outros países, vivem longe da família dos amigos deste sol desta Lisboa ou de outra cidade qualquer por um dinheiro com data de validade. 
Todos se esquecem que a nossa natureza não é esta. Não pode ser esta. 
"We have a greed. Wich we have agreed"  

ceci n´est pas, quelque-chose



Encontrei esta imagem num instagram de uma amiga. Passados uns minutos ao telefone vi-me forçado a enviar esta imagem para explicar um ponto de vista que considero importante na minha forma de viver, após ter sido "acusado" de ser naif, ou, e de forma contrária, provocador.
A imagem que, na conversa telefónica, pertence ao livro "O Príncipezinho" revela um grande problema de todos nós. Achamos que aquilo que observamos dos outros é a realidade. Discutimos, argumentamos e somos peremptórios, julgando que a razão e a verdade se encontram do nosso lado. No entanto, se olharmos com atenção para o interior iremos ver que, na maioria das vezes, essa verdade deixa de ser tão verdade. Mas mesmo assim julgamos que a culpa foi do outro, que não se explicou convenientemente, que não disse tudo o que havia por dizer. O que é uma possibilidade.

Olhamos para os outros através de nós.
Deveríamos tentar perceber o que se passa no outro lado de uma forma mais imparcial e interessada.


terça-feira, 22 de julho de 2014

Clear!

bip bip bip bip

Está ressuscitado!
E para comemorar,


E foi eleito o concerto da minha vida!
Foi incrível. Tudo o que o envolveu!

domingo, 4 de maio de 2014

Feliz dia da mãe.

O que é ser boa mãe? 
É dar festinhas e beijinhos aos filhos. Oferecer presentes. Dizer a tudo que sim só para que a criança não chore, não faça uma birra à frente de todos.
Eu sei o que é uma boa mãe. E cada vez tenho mais a certeza disso à medida que vou crescendo, à medida que cresce em mim a vontade de ser pai, e a de encontrar uma mãe tão incrível como a minha. Porque sim, porque para além de bonita, inteligente e blá blá eu tenho de sentir que será uma boa mãe. 
Uma mãe à semelhança da minha que me deu a conhecer o mundo "sozinho". Que me passou o valor de justiça. Que me ensinou a ser genuíno. Que me mostrou o que é realmente o amor. 
Mostrou-me que não vale a pena deitar no chão a chorar, só porque queria muito algo, fazendo-me ver que nunca vamos ter acesso a tudo e que devo gerir essas frustrações com clarividência. Mostrou-me a não aceitar um chocolate da "tia" em troca de um beijinho, porque ou dá porque quer ou então que o coma ela! Mostrou-me que lá por ter um pai mandrião, boémio, oportunista ainda assim o devemos amar, porque efectivamente é meu pai e nunca nos fez nada de mal só dez foi pouco bem. Ensinou-me, aos quinze anos, que os três meses de ferias são demasiados e que deveria trabalhar um pouco, por forma a ir descobrindo o que mais gosto de fazer, nesse ano descobri que montar telefones, subir a postes e a segundos andar por uma escada que tremia por todos os lados, não era a minha praia. Mas que no fim, com o meu primeiro ordenado comprei um presente às pessoa que mais gostava. Porque sim porque gosto delas e não porque queria um beijinho, como a minha tia. 

Eu acho que até vou sabendo umas coisas, mas é incrível como ainda me mostra e ensina tantas outras. E sabe muito bem!!! 
Um grande beijinho e feliz dia da mãe. 


Este vídeo mostra mesmo esse teu trabalho que durará a vida inteira. Quiseste não quiseste, agora aguenta-te :D 

http://m.youtube.com/watch?v=ZD8yfyaeaxM

Feliz dia da mãe! 

domingo, 27 de abril de 2014

Spots on my apples

Um original de Joni Mitchell, uma grande compositora que viveu numa época de grande criatividade e mudança.



25 de Abril?! My ass

Porque é que tenho a sensação que ainda vivemos numa ditadura silenciosa e em que julgamos ter liberdade?
Podemos dizer tudo, ou quase tudo, o que queremos, mas Quem é que nos ouve? ou melhor, Quem é que nos escuta?
Ainda ontem lia;
"As sociedades ocidentais, tão orgulhosas do seu espectacular nível de vida que nem ousavam confessar a si mesmas a que ponto a sua vida nisso se enovelava sob a pressão do lucro, escondem-se num temor tanto mais ridículo que receiam menos não ser coisa nenhuma do que terem de ser outra coisa."
 in, Economia Parasitária, de Raoul Vaneigem.




quarta-feira, 16 de abril de 2014

À minha mãe

Ainda hoje, crescido e criado, ela mantém o mesmo comportamento. Sempre à procura do melhor para mim. 

http://m.youtube.com/watch?v=B6BjjV5zAK4


segunda-feira, 14 de abril de 2014

Musica

Depois disto, se eu fosse a Britney nunca mais cantava esta música! 

http://m.youtube.com/watch?v=y2IHIW6I_fM

sábado, 5 de abril de 2014

Kurt Cobain

Faz hoje 20 anos que se finou.
My favorite.


sexta-feira, 4 de abril de 2014

A naifa

http://vimeo.com/m/84188644

Intensa 

One love


http://m.youtube.com/watch?v=4xjPODksI08 

quinta-feira, 3 de abril de 2014

terça-feira, 25 de março de 2014

Vegetariano, 1 ano

Hoje faz um ano que deixei de comer carne. 
Hoje faz um ano que, em definitivo, libertei-me de grande parte dos problemas de consciência relativamente à minha alimentação.  
Hoje faz um ano que nenhum euro da minha conta contribuiu para o enriquecimento de uns à custa do sofrimento dos animais e da contaminação do meio ambiente. 




Obrigado Cátia pela ideia original de, à distância, apagar a vela do primeiro aniversário :) 

quinta-feira, 20 de março de 2014

terça-feira, 18 de março de 2014

Efemeridade


"Estamos na praça de Espanha a almoçar" dizem eles, orgulhosos, contentes, felizes. Não pela comida, pela música de fundo, por quem os rodeia, nem tão pouco pelo sítio onde estão. Estão sim felizes por aquilo que os une, nada mais. 
Lembraste de ter perguntado se era feliz ou o que era para ti felicidade? Pois bem, aqui está um bom exemplo especialmente para ti que gostarias de levar a fotografia de uma forma profissional. 



segunda-feira, 17 de março de 2014

Catarse

Hoje estou irritado!
Mas mesmo irritado.
Ao ponto de ignorar muitos falar mal para uns tantos dar a entender a poucos e falar para ninguém.
Vim aqui depositar o meu descontentamento mas talvez não o percebam.

Um autocarro inicia a sua viagem sem ninguém. Uns montam-se logo na primeira paragem e dizem para onde querem ir, normalmente esses são os que consomem mais combustível, requisitando uma viagem longa de pára-arranca e com mau tempo. O bilhete é barato, tão barato que é grátis. Mas a coisa é feita, o motorista mete uma música alegre diz umas piadas e, com maior ou menor custo, chega-se ao destino.
Outros vão entrando e saindo, uns mais cedo outros mais tarde. Alguns voltam a chamar o autocarro por um serviço disponibilizado o qual, já gasto de tanto uso, ainda vai dando para os gastos.Os que saem, agradecem (dissimulada)amavelmente, e dirigem-se ao seu objectivo sem olhar para trás. Pouco se importam com o resto da viagem, focando-se apenas em quem vai no seu interior e na falsa cumplicidade oportunista adquirida.
Outros, tentam invariavelmente mudar o rumo ao autocarro, chico-espertos dos caminhos tentam desencaminhá-lo, fretá-lo a seu belo prazer. Muitas vezes o conseguem porque o motorista é uma banana, mole.
Ao fim do dia, o Bus dirige-se para a garagem, tarde, sem gasóleo, pneus gastos, bancos escritos com frases bonitas e outras menos bonitas que são escritas nas costas dos bancos para apenas serem lidas por quem descansadamente aguarda até ao seu destino. Diariamente anseia para que esse seja o dia em que aparece alguém que lhe encha os pneus, o depósito e apague as frases feias porque, mesmo sabendo que existem, pouco importam.

Uma vez por outra pergunto a casais amigos, irmãos, filhos, pais, amigos..
Porque gostas deste que dizes que gostas?

Nunca me convenceram.
Queres tentar?
Pode ser qualquer pessoa que ames. Como sabes, o amor é transversal e não só entregue ao namorado(a).


sexta-feira, 14 de março de 2014

quarta-feira, 5 de março de 2014

Hoje, no instagram


A rodela de chouriço

... Ou a azeitona do bacalhau a Brás, ou a bolacha na mousse, ou o fundo de chocolate do corneto de chocolate..

From my instagram sr_deeds


No meio da escuridão há sempre uma luz que nos ilumina o caminho, só nos resta descobrir qual será a melhor. Mas atenção que poderá não ser a mais brilhante, porque outra ainda mais brilhante poderá estar, apenas, um pouco mais longe. Corres e juntaste a ela ou comes logo a rodela chouriço? ;) 


Savvy? 

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Muita atenção a este grupo.

Julie & the Carjackers - Mr Williams





Hoje

Que este dia fique marcado pelas boas notícias que me chegaram!! 
Adorei!! 
Estamos todos com vocês! 


Borras-tea? :D 

Meanwhile

Um dia em que me deito às 24h! Até merece um post.

Estou cansado de chegar à cama e dizer "mais um dia terminado!"

Gosto das pessoas de manhã acabadas de sair da cama. 

O acordar de uma mulher diz muito sobre ela. 


A tecnologia é ambígua. Tanto aproxima como afasta as pessoas. Enviem-me a vossa morada por mail fmrdiogo@gmail.com que eu, um dia destes, escrevo. 


Estamos a planear fazer a costa vicentina de autocaravana, sem recurso a nada. E eu estou super ansioso! 


Quero fazer os caminhos de Ródão e visitar a minha amiga Helena. 


Sempre me disseram. Quando queres fazer algo conta a toda a gente, assim terás mesmo de fazer! 

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Calvin, (com o devido respeito) tu inspiras-me.

- Entras numa loja de doces porque te apetece um chupa. Escolhes o teu sabor favorito e reparas que, o chupa que escolheste, traz recheio ou pastilha ou petazetas ou sugo ou outra-coisa-qualquer. 
Pergunto:
Chupas calmamente até ao fim sem ânsias de saber o que aí vem? 
Trintas o chupa com cuidado não vá a surpresa ser frágil? 
Devoras o chupa sem dó nem piedade, queres é o que lá está dentro? 



Relaciono e inverto o sentido do teu post Calvin. Apenas!

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

BTW

Quando era pequeno, fui sempre o primeiro a saltar da ponte, o primeiro a descer a rua sem travões, o primeiro a subir a árvore para "resgatar" a bola, o primeiro a saltar o muro e invadir o quintal do vizinho para, novamente, "resgatar" a bola e salvar a tarde.
Porquê?
Porque tinha o mundo como perfeito! Podia fazer o que quisesse, dentro dos limites da minha liberdade, julgando que tudo dependeria de mim, dos meus quereres e creres, e não de Um qualquer que se cruzasse e me fizesse sair do carril para um caminho que pouco conhecia. 
Triste e amargurado, enfrentei o mundo novo.
E Hoje, volto a tentar algo de novo!
Wich me luck!

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Genuinidade.

Genuinidade, Nix. Falávamos outro dia por aí, não foi. Pois bem este é um dos casos que me fazem realmente pensar que afinal poderá haver menos que a que julgo existir. 


terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Estou neste preciso momento a ouvir esta música e quis partilhar porque me identifico muito com este tipo de comportamento. 

Tenho dito..

Vá, esta passa das minhas notas para o blog. Só para não se queixarem de ter abandonado o estaminé



segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Se tive uma ideia? Não. Acendi o candeeiro porque estou com a ideia de que algo mudará em breve. 

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Há coisas incríveis

O dia não começou da melhor, até porque o de ontem não terminou bem. Nada de especial, apenas um sentimento de vazio se abateu. 
Mas agora mesmo troquei umas casuais palavras com alguém especial. Percebi que está bem, não pelo que disse mas sim pela entoação pela cadência e pela felicidade do discurso. 
E trouxe-me de volta. 
Até já Rui. 

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Ontem falou-se de amor

Ontem falou-se de amor, relacionamentos e tendências de ambos os sexos.
Passando dos clichés às ideias próprias a um final inevitável e triste chegámos.
Os relacionamentos carecem de tolerância, altruísmo e de sentimento verdadeiro pelo outro. A busca incessante pela satisfação própria acaba por definir a maior parte dos relacionamentos como simbióticos.
e o amor é bem mais que isso.
Amor no sentido lato da coisa. casais, amigos, família.

estes não enganam



terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Treino do diabo!

Chegou-me este treino e outros três idênticos. Ganhei coragem, vesti os calções a t-shirt, sim, não como certas pessoas que levam duas t-shirts e dizem que se enganaram, calcei os ténis agarrei na toalha e... Fonix! Estava todo borrado! 
Parece parvo alguém dizer isto quando poderia pensar, -só faço se conseguir, caso contrário, azar!- Não é bem assim, nesta história di desporto não há como não fazer, como não chegar, como não marcar. O limite inferior é o objectivo estabelecido. E este era alto prá caramba! 

Vou deixar-me de conversas e deixar o treino para quem quiser experimentar. 

Lembro que a intensidade é alta, cada volta é seguida, sem descanso, esse será de trinta segundos ao fim de cada volta. 


1 volta 
40 burpees 
40 flexões 
40 agachamentos 
40 abdominais 
40 mountain climbers 
40 joelhos ao peito (alternado) 
40 seg prancha 

2/3/4 voltas reduz-se em dez cada um dos exercícios. 
Entre voltas descanso de 30seg entre os exercícios NÃO HÁ DESCANSO! 

Demorei 19min para fazer as 4 voltas, não se admite mais de 25 min. 

Are you in? 


segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Parabéns

Desde 2012 a espalhar magia! :) 
Até já, V 

Finito.

Hoje surgiu esta frase na minha cabeça, passando rapidamente para a mensagem que escrevia. Arrependido imediatamente após o envio, e sem nada poder fazer em relação a isso, meti-me a pensar,
Uma coisa não levará à outra? 



quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Cinema

Oeu estado civil permite-me entrar neste mundo. Estou a gostar! 


Obrigado colega Rui. 


Pimba!



quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Hey

Música do momento.



Buenos dias!


Algo se passa quando

Te deitas, durante alguns dias seguidos, às 2h, levantaste às 7h e tens a energia de quem dormiu 8h.


terça-feira, 14 de janeiro de 2014

O Lobo de Wall Street

Fui ver,
Nunca vi tanto bigodinho Hitleriano num mesmo filme cujo canto, desprovido de bolinha encarnada, enviava porta fora uma família inteira ainda antes do intervalo.
Mas gostei.

Já encomendei outros ao especialista a ver se acabo com esta malapata.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Bro

O amor também é,
Olhar para O outro e entedê-lo, 
É saber escutar e não apenas ouvir,
É crer e querer, 
É sentir que a vontade dessa pessoa estará sempre em primeiro lugar, 
É simbiose e, primeiramente, unilateral,
É entender que, quando sentimos que outro ama sempre menos que nós, podemos estar a confundir a forma de amar, porque a unicidade está dentro do amor, 
É saber aceitar o outro na totalidade e não querer mudar um cabelo que seja....
E é tantas outras coisas incrivelmente boas e apenas boas, mesmo quando não é correspondido. 

Poderia estar aqui a noite inteira a começar frases com É, e nunca chegaria perto da verdadeira definição. É tão intangível que nos deixa sem palavras, e todas as pronunciadas serão sempre um grão de areia do deserto. 
Vive o amor, Pedro. Não deixes que ele te mate! 


domingo, 5 de janeiro de 2014

Eusébio

Falava eu de clubismo e humildade no futebol, entreguei-a ao Sporting por toda a evolução durante este ano desportivo. Mas hoje, por volta das 3h30 morria o maior símbolo do futebol português. Esqueçamos figo, rui costa e até mesmo Rinaldo, porque o Sr. Eusébio foi e será sempre o símbolo do futebol enquanto modalidade praticada entre pessoas e não como um negócio, marketing pessoal/institucional e um tráfico de influências sem escrúpulos visando apenas o negócio. O futebol deverá , sempre, ser visto como modalidade desportivo que une milhares de pessoas num campeonato, num estádio, num campo e até mesmo em casa com a irmã, como foi o meu caso durante anos e que certamente uniu-me, mesmo não sendo visível, à minha irmã. E este Sr. fazia-o da forma mais altruísta. Nunca o ouvi falar mal dos adversários ou dos árbitros. O discurso era cuidado e nada ofensivo, sempre ligando a modalidade à paixão, e não clubismo, que tinha clube que o acolheu. 
Se não refletiste as tuas escolhas os teus quereres e creres. Usa e abusa das pessoas que nos deixaram e que nps irão fazer muita falta, para repensares as tuas atitudes para contigo e para com os outros. Desculpem a comparação, que não têm, mas são dois grandes exemplos de amor e dedicação sem ostilidade. Eusébio e Mandela. 





sábado, 4 de janeiro de 2014

Eu eu eu e eu


Enquanto aguado pela hora do cinema, uma sugestão da wallis, mergulho numa revista que sugeriram ao meu amigo Pedro e que rapidamente fiquei fan, sem necessariamente concordar com o conteúdo. 
Até já! 


quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Recado

Querido Anselmo,
Se um dia destes acordares e estiveres afónico, é sinal que essa história das passas às doze badaladas resulta. Desculpa.
E um dia todos me vão agradecer.

Para este post não ser um total fiasco, aqui fica.